Visitantes

26 abril 2012

Onde abundou o pecado, superabundou à graça.

                    

            ROMANOS 7
14 Porque bem sabemos que a lei é espiritual; mas eu sou carnal, vendido sob o pecado.
15 Porque o que faço não o aprovo; pois o que quero isso não faço, mas o que aborreço isso faço.
16 E, se faço o que não quero, consinto com a lei, que é boa.
17 De maneira que agora já não sou eu que faço isto, mas o pecado que habita em mim.
18 Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; e com efeito o querer está em mim, mas não consigo realizar o bem.
19 Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço.
20 Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim.
21 Acho então esta lei em mim, que, quando quero fazer o bem, o mal está comigo.    
22 Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus;
23 Mas vejo nos meus membros outra lei, que batalha contra a lei do meu entendimento, e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meus membros.
24 Miserável homem que eu sou! quem me livrará do corpo desta morte?
25 Dou graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor. Assim que eu mesmo com o entendimento sirvo à lei de Deus, mas com a carne à lei do pecado.
           
            BÍBLIA DE ESTUDO PENTECOSTAL
7.15 O QUE QUERO, ISSO NÃO FAÇO. Aqueles que tentam obedecer aos mandamentos de Deus sem a graça salvífica de Cristo descobrem que são incapazes de realizar as boas intenções do seu coração. Não são senhores de si mesmos; o mal e o pecado governam o seu ser. São escravos dessas coisas (vv. 15-21); presos "debaixo da lei do pecado" (v. 23). É somente para os que estão em Cristo, que Deus, juntamente com a tentação, "dará também o escape, para que a possais suportar."

 “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas  fiel é Deus, que vos não deixará tentar acima do que podeis; antes, com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar.” (1 Coríntios 10:13)

            A paz amado (a)!
            Por mais que tente fazer o bem, ou o que é bom aos olhos de DEUS e consequentemente aos olhos humanos, não consegue com suas próprias forças.
            Nossas forças não tem o poder de DEUS para fazer o bem que nós queremos, porque simplesmente quando queremos, é com nossas próprias forças que fazemos e não com o PODER DA GRAÇA DE DEUS.
            Muito confuso, não!
            Sim e não, a confusão faz parte do aprendizado, aquilo que parece correto e coerente aos olhos humanos, que nos estabelece num padrão seguro e de estarmos certos, causando conforto e uma possível soberba, ou altivez, que nos afastará do propósito de DEUS, por DEUS será derrubado e então ficamos sem noção do que houve e que ocorreu.
            Esforçamo-nos em não pecar, mas DEUS não quer o nosso esforço, mas sim que confiemos NELE de todo o coração e que ouçamos e obedeçamos a sua voz.
            Então quando ouvimos a DEUS, seguimos conforme SUA VONTADE, então onde abundou o pecado, passa a superabundar à graça.

"Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça;"  (Romanos 5:20)

1 comentários:

Artigo bibliocêntrico! É isso aí. Muito bom!

Em Cristo,

M. B. Matos!!!

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More